segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Ritos de passagem que me irritam!!!!


Enfim retomando minhas postagens pessoais depois de algum tempo sem aparecer por aqui, minha vida estava uma loucura. Hoje, quero comentar sobre alguns ritos de passagem, ritos/eventos sociais que realmente me irritam e eu não vejo o menor sentido de trazê-los para a minha vida.

Normalmente algumas pessoas me perguntam: Rita, pq vc não casa na Igreja? Com aquela coisa toda de festa, vestido de baiana (ops de noiva), ritualzinho, igreja cheia de gente, boca livre depois. Em primeiro lugar: Pq eu não quero! Não quero, não gosto, não vou fazer isso! Eu particularmente acho um SACO essas cerimônias de casamento tradicionais na igreja. Pra mim aquilo tudo representa uma série de rituais enfadonhos, que das mais diversas formas exaltam a fragilidade, subordinação e stigma de propriedade da mulher. O pai levando a filha ao altar, é claramente uma representação do seu poder, seu papel de dono da filha, que entrega a propriedade para a mão de outro macho, no caso o marido. Eu não vejo necessidade disso e nem concordo.

Acho que casamento é mais organização social, encaro as relações humanas em outro prisma, e isso não passa por esse ritual de casamento. No mais eu acho um desperdício, muitas vezes uma quantidade absurda de dinheiro jogado fora, que o casal poderia investir em estudo, viagens, grande parte dos casais pós festa de casamento estão endividados. Inúmeros casais, não se casam na igreja, pq acreditam naquela ritualística, ou dão qualquer significado, o fazem simplesmente pela aceitação social. Eu fora!

Outra coisa que me revira o estômago: Chá de panela... Ai, os chás de panela. Por favor, não me convidem, pq eu não vou. Tenho pavor dessas festas caracterizadas como "femininas", estas confraternizações que tradicionalmente, socialmente marcam "ritos de passagem" na vida de uma mulher. A mesma lógica destes eventos é usada na mídia utilizando imagens de mulheres para vender produtos de limpeza, panelas e pratos para a cozinha, reforçando a ideia de que mulher é a rainha(escrava) do lar. Porque não propagandas de homens cozinhando, lavando um banheiro? Qual o problema? Chá de panela, chá de bebe, eu não vou, não gosto. Eu mando o presente depois, mas não contém com a minha presença.

Acho que uns 90% destes eventos que acompanhei até hoje são extremamente machistas, partindo de uma premissa de infantilização da mulher e exaltação da sua obrigação procriativa no mundo. Como o Baile tradicional de Debutante, apresentar a filha para a sociedade, em outras palavras o "Pai" mais uma vez mostrando que a garotinha ja esta na "pista pra negócio" e deve ser apresentada para os machos alfa presentes e seus familiares. Por mais que você me diga que essas festinhas de chá de panela e cia são brincadeira entre amigas, é uma brincadeirinha sexista sim, enraizada no patriarcado tão marcante na nossa sociedade, que ridiculariza a mulher, com o aval das mesmas.

PENSA MULHER!!! Não é legal voce sair na rua com um monte de mulher batendo panelas (artigo culturalmente definido como do universo feminino), enrolada em papel higienico, pedindo dinheiro e camisinhas. Isso é RIDICULO!!! Você não precisa disso! E se você precisa... Lamento, é triste.

Eu não gosto disso e não participo. Deixo clara a minha posição. Você pode não perceber, mas a sociedade esta rindo da gente, e com essa sua aceitação do seu papel de mulherzinha-esposinha-frágil-meiga, que só cuida da casinha, do maridinho e do filhinho, e papagaio, você esta contribuindo para que continuamos sendo ridicularizadas, que não tenhamos crédito perante a sociedade! Mulheres também são culpadas pelo fortalecimento das instituições patriarcais e alimentam o machismo. Isso é uma verdade que dói!

domingo, 12 de setembro de 2010

Childfrees são problemáticos?

É incrível a dificuldade das pessoas aceitarem que existem outras que simplesmente não querem ter filhos. Isso é visto como heresia, ou consequência problemas psicológicos, bloqueios de infância, ou algum trauma.

Olha esse caso trazido pelo Clemílson lá na Comunidade, onde ele conta um caso tão comum no cotidiano de um Childfree:

Ontem no ônibus, estava falando com uma garota que quer ter filhos e disse que eu não queria ter. Uma mulher que estava ouvindo a conversa disse que conhecia um cara que também não queria ter filho, e ele tinha problema porque perdeu a mãe suicida aos 9, e eu também tinha algum problema. Contei que sou filho de mãe separada, criado numa casa desequilibrada, com uma avó que jogava na cara que a casa era dela. Ela disse que deve ser esse o problema! Vocês acham q eu tenho problema?

Coitado do cara, a mulher quase o convenceu! Se fosse verdade, como explicar que eu decidi não ter filhos aos 16 anos de idade, sem ter nenhum histórico de problemas familiares ou psicológicos ou traumas desse tipo? Todo mundo tem problemas! E ter filhos pode ser o maior deles, e causa de vários outros problemas encadeados.

E as parideiras que resolvem ter filhos para “dar a ele tudo o que não conseguiu”, “para fazer diferente”? Isso sim seria uma ação motivada por um trauma!

É só um exemplo de como a sociedade é intolerante às diferenças. Quem não segue o senso comum e a ordem padrão das coisas é tido como frustrado, maluco ou tem problemas.

Me dá um orgulho danado ser diferente dessas pessoas! E você, já passou por esse desatino?

Related Posts

{ 1 comment… read it below or add one }

1 Renato 27 junho , 2010 às 18:39

Sou ateu e não quero ter filhos. Imagina a desgraça! Pros outros, é claro. As pessoas insistem em querer seguir um passo a passo na vida. O tal do “nasce, cresce, reproduz e morre” simplesmente não funcionará comigo. Simples assim. Quero dedicar meu tempo de vida à quem me ama e não à um ser que sabe-se lá como vai ser quando crescer. Fora isso, se tudo der certo e ele for muito bem educado, a criança será jogada num mundo sem amor, onde as pessoas não respeitam as outras e querem sempre estar por cima de todo mundo. Comigo não. Comigo não será assim. Pode me chamar do que quiser, mas vou morrer feliz sendo assim.



Link: http://www.semfilhos.org/childfrees-sao-problematicos/