segunda-feira, 9 de maio de 2011

Meninos não choram!

por dj_Hans
Hoje estava no ônibus, rumo a um compromisso e uma cena triste mais uma vez, parou minha atenção: Uma jovem moça, com seu filho, creio que o menino deveria ter cerca de 5 anos. Ambos estavam descendo do ônibus, e o menino acabou batendo num banco, e começou a chorar, no momento que estavam para descer. A mãe puxou o menino fortemente pelo braço e disse: Para com isso! Menino não chora! Quer que te vejam assim? Nisso o menino ficou tentando conter as lágrimas, com um olhar muito triste.

Infelizmente não é a primeira vez que vejo isso, creio que na verdade toda a semana eu vejo alguma cena parecida, onde a mãe, pai, tio, avó, poda a criança com frases do tipo: não chora, menino não chora! Lembro também da outra frase similar, que as meninas escutam muito: Para! Esta parecendo um guri! Mas é dos meninos que quero falar hoje. Dos meninos que não choram!

Sabem que quando vi aquele menino tentando segurar o choro, pq meninos não choram, por mais esquisito que possa parecer, de certa forma me imaginei como aquele menino, sendo puxado pela mãe, segurando o bracinho que havia batido, provavelmente assustado, sentindo dor, e aprendendo uma grande lição: de que homens não choram,  homens são fortes, não devem mostrar fragilidades. Você pode estar pensando que “ahh isso não fará diferença, o que é uma frasezinha..”. Repita essa frase durante anos, crie uma criança num ambiente onde o homem é forte e não pode chorar, e você pode ver os resultados ( mas não faça isso não).

Esse menino do ônibus me lembrou de outro menino do ano passado. Onde na turma de uma amiga, um menino ainda do Jardim de Infância, que nem conseguia articular bem as palavras, disse para os amiguinhos: mulher é igual lata, um chuta e o outro cata. Toda a turma sorriu, e obviamente ele continuou repetindo, até a professora parar, intervir e conversar com ele sobre o que ele estava dizendo. Essa minha amiga ainda parou e conversou, depois fez um contato com a família para tentar intervir um pouco nesse contexto que levou esse menino a reproduzir aquela frase. Agora eu imagino, quantas vezes nós paramos para intervir? Muitas vezes nós simplesmente deixamos passar. Eu no ônibus, não consegui fazer nada, aquela moça desceu, e provavelmente vai seguir reforçando esta idéia de que homem não chora, na cabeça daquele menino. Foi assim que ela aprendeu.

Homens não choram! Como somos cruéis e nem mais percebemos! Como podemos ter essa necessidade doentia de colocar as pessoas em categorias e exigir que as mesmas permaneçam ali, vivenciando o papel que lhe é imposto. Homem não chora, homem é forte, homem é chefe, homem é comedor. É isso que reforçamos nos meninos, o quanto antes estamos lá colocando na cabecinha dos mesmos que: homem é forte e não pode mostrar fragilidade, pq isso é coisa do sexo oposto, isso é coisa do feminino, as mulheres que são fragéis, delicadas e DEVEM chorar, implícito mandamos a mensagem da inferioridade.

Eu me lembro aqui, de uma reunião familiar, alguns anos atrás, quando eu ainda mantinha contato com a minha família biológica, onde uma determinada pessoa disse, que quando o filho completa-se 13 anos ia levar ele na zona pra virar homem, isso deve ter sido em que ano, creio que 2007, faz pouco tempo, e todos riram e cobraram daquela criança a atitude de “um homem”.  Lembro de quando eu acompanhei o nascimento de um menino, e as pessoas ficavam exaltando que ele era “sacudo”, tinha o saco “bem roxo”, era sacudo como o pai, e todos riam e exaltavam e já começavam as brincadeiras sobre as menininhas que ele iria pegar em alguns anos.

Meninos não choram! Como temos coragem de instantaneamente proibir uma criança de  derramar lágrimas? Em nome de um papel social, em nome de uma construção patriarcal doentia que esta enraizada em nós, que nem mais percebemos, nos apodrecendo por dentro, nós temos a coragem de olhar nos olhos de um menino que caiu e ralou o joelho e dizer naquele momento de dor: Menino não chora! Levanta! E com essa frase "menino não chora" ecoando em tantas escolas, casas, ruas, nós aprofundamos as raízes da opressão,  nós forjamos mais grilhões para nos aprisionarem, nós sufocamos o sentimento, e incentivamos a fuga, a violência, o ressentimento.

Meninos não choram? Menino, você pode chorar sim!
Nós choramos perante tanta opressão e dor.

Ana Rita Dutra dos Santos